Ir al contenido principal Ir al menú de navegación principal Ir al pie de página del sitio

Reflexiones teóricas sobre sujetos de la praxis y sujetos de la antítesis para la Reforma Sanitaria Brasileña

https://doi.org/10.18294/sc.2017.1400

Publicado December 14, 2017 Open Access


Jairnilson Silva Paim Médico, Doctor en Salud Pública. Profesor Titular, Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal de Bahia, Brasil. image/svg+xml



Vistas de resumen
702
Cargando métricas ...


Palabras claves:

Teoría Social, Reforma Sanitaria, Sistemas de Salud, Brasil


Resumen


La Reforma Sanitaria Brasileña ha sido reconocida como un proyecto que trasciende la dimensión sectorial al considerar el concepto ampliado de salud y de determinación social, que la distingue de las reformas de los sistemas de salud del siglo XX. Este artículo tiene como objetivo apoyar la construcción de los conceptos sujetos de la praxis y sujetos de la antítesis, para lo cual discute algunos de los retos de la praxis en la Reforma Sanitaria Brasileña, la constitución de sujetos sociales y la aparición de sujetos de la antítesis. Se argumenta que la reflexión teórica puede contribuir al análisis político en salud y vislumbrar el poder de una praxis que desequilibre el carácter conservador de la revolución pasiva.


Referencias bibliográficas


1. Almeida CM. Reforma de sistemas de servicios de salud y equidad en América Latina y el Caribe: algunas lecciones de los años 80 y 90. Cadernos de Saúde Pública. 2002;18(4):905-925.

2. Labra ME. La reinvención neoliberal de la inequidad en Chile: El caso de la salud. Cadernos de Saúde Pública. 2002;18(4):1041-1052.

3. Gakidou E, Lozano R, González-Pier E, Abbott-Klafter J, Barofsky JT, Bryson-Cahn C, Feehan DM, Lee DK, Hernández-Llamas H, Murray CJL. Evaluación del impacto de la reforma mexicana de salud 2001-2006: un informe inicial. Salud Pública de México. 2007;49(Supl 1):S88-S109.

4. Mendes EV. Os grandes dilemas do SUS. Salvador: Casa da Qualidade; 2001.

5. Paim JS. Reforma Sanitária Brasileira: contribuição para a compreensão e crítica. Salvador: EDUFBA; 2008.

6. Oliveira JA. Para uma teoria da Reforma Sanitária: “democracia progressiva” e políticas sociais. Saúde em Debate. 1988;(20):85-93.

7. Gallo E. Razão e planejamento: algumas indicações críticas para uma práxis emancipadora. [Dissertação mestrado]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz; 1991.

8. Teixeira SF. (org.). Reforma Sanitária em busca de uma teoria. Rio de Janeiro: Abrasco; 1989.

9. Gramsci A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2000.

10. Vianna LW. A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. 2a ed. Rio de Janeiro: Revan; 2004.

11. Gramsci A. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira; 1966.

12. Althusser L. Sobre o trabalho teórico. Lisboa: Editorial Presença; 1978.

13. Donnangelo MCF. Saúde e sociedade. São Paulo: Duas Cidades; 1976.

14. Arouca S. El dilema preventivista: contribuciones a la comprensión y crítica de la Medicina Preventiva. Buenos Aires: Lugar Editorial; 2008.

15. Paim JS. Del “dilema preventivista” a la Saúde Colectiva. In: Arouca S. El dilema preventivista: contribuciones a la comprensión y crítica de la medicina preventiva. Buenos Aires: Lugar Editorial; 2008. p.145-149.

16. Paim JS. Desafíos para la salud colectiva en el siglo XXI. Buenos Aires: Lugar Editorial; 2011.

17. Vieira-da-Silva ML, Paim JS, Schraiber LB. O que é Saúde Coletiva. In: Paim JS, Almeida-Filho N. Saúde Coletiva: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: MedBook, 2014. p. 3-12.

18. Losurdo D. Gramsci, do liberalismo ao “comunismo crítico”. Rio de Janeiro: Revan; 2006.

19. Dias EF. Política brasileira: embate de projetos hegemônicos. São Paulo: Editora Instituto José Luís e Rosa Sundermann; 2006.

20. Paim JS. Contribuições do Marxismo para a Reforma Sanitária Brasileira. In: Pereira MC, Silva MDF. Recortes do pensamento marxista em saúde. Brasília: Dreams; 2006. p. 29-41.

21. Althusser L. Prefácio: de “El capital” a la filosofía de Marx: In: Althusser L. Balibar E. Para leer El Capital. 15a ed. México: Siglo Veintiuno Editores; 1977. p. 18-77.

22. Vázquez AS. Filosofia da práxis. Buenos Aires: CLACSO; 2007.

23. Konder L. Em torno de Marx. São Paulo: Boitempo; 2010.

24. Coutinho CN. (org.) O leitor de Gramsci: escritos escolhidos 1916-1935. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2011.

25. Buci-Glucksmann C. Gramsci e o estado por uma teoria materialista da filosofia. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1980.

26. Cabral A. As palavras de ordem gerais. São Vicente, Cabo Verde: Direção Regional de São Vicente; 1969.

27. Santos RT. O fantasma da classe ausente: as tradições corporativas do sindicalismo e a crise de legitimação do SUS. [Tese doutorado]. Belo Horizonte: Departamento de Ciência Política; Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas; Universidade Federal de Minas Gerais; 2014.

28. Silva THS. Força ou consenso: a Reforma Sanitária Brasileira entre o dilema reformista e o Minotauro da saúde. [Dissertação mestrado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 2016.

29. Paim JS. Collective Health and the challenges of practice. In: Pan American Health Organization. The crisis of public health: Reflections for the debate. Washington, DC: PAHO; 1992. p. 136-150.

30. Garcia JC. Apresentação: Juan César Garcia entrevista Juan César Garcia. In: Nunes ED. (org.). As ciências sociais em saúde na América Latina: Tendências e Perspectivas. Brasília: OPAS; 1985.

31. Guimarães R. Saúde e medicina no Brasil: contribuição para um debate. Rio de Janeiro: Edições Graal; 1978.

32. Donnangelo MCF. A Pesquisa na área de saúde coletiva no Brasil: a década de 70. In: Ensino da saúde pública, medicina preventiva e social no Brasil. Rio de Janeiro: ABRASCO, PEC/ENSP; 1983. p. 17-35.

33. Donnangelo MCF. Medicina e sociedade: o médico e seu mercado de trabalho. São Paulo: Pioneira; 1975.

34. Luz MT. As instituições médicas no Brasil: Instituição e estratégia de hegemonia. Rio de Janeiro: Graal; 1979.

35. Braga JCS, Goes de Paula S. Saúde e Previdência: Estudo de política social. São Paulo: CEBES-HUCITEC; 1981.

36. Oliveira JAA, Teixeira SMF. (Im)previdência social: 60 anos de história da previdência no Brasil. Petrópolis: Vozes; 1985.

37. Arouca AS. Apresentação (contracapa). In: Teixeira SF. (org.). Reforma Sanitária em busca de uma teoria. São Paulo: Cortez; 1989.

38. Paim JS. Reforma Sanitária Brasileira: avanços, limites e perspectivas. In: Matta, GC, Lima JCF. (org.). Estado, sociedade e formação profissional em saúde: contradições e desafios em 20 anos de SUS. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, EPSJV; 2008. p. 91-122.

39. Bornheim GA. Dialética: teoria, práxis; ensaio para uma crítica da fundamentação ontológica da dialética. Porto Alegre: Globo; 1983.

40. Paim JS. Reforma Sanitária Brasileira: eppur si muove. Cadernos de Saúde Pública. 2013;29(10): 1952-1953.

41. Testa M. Vida: Señas de Identidad (miradas al Espejo). Salud Colectiva. 2005;1(1):33-58.

42. Gramsci A. Maquiavel, a política e o Estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 1976.

43. Laclau E, Mouffe C. Hegemonía y estrategia socialista: Hacia una radicalización de la democracia. 3a ed. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica; 2010.

44. Testa M. Pensamento estratégico e lógica de programação (o caso da saúde). São Paulo: HUCITEC; 1995.

45. Testa M. Decidir en salud: ¿quién?, ¿cómo? y ¿por qué? Salud Colectiva. 2007;3(3):247-257.

46. Testa M, Paim JS. Memoria e Historia: diálogo entre Mario Testa y Jairnilson Silva Paim. Salud Colectiva. 2010;6(2):211-227.

47. Testa M. Pensar em saúde. Porto Alegre: Artes médicas, ABRASCO; 1992.

48. Simionatto I. O social e o político no pensamento de Gramsci. In: Aggio A. Gramsci, a vitalidade de um pensamento. São Paulo: Fundação Editora UNESP, 1998. p 37-64.

49. Coutinho CN. Gramsci. Porto Alegre: L & PM; 1981.

50. Carvalho MAR. Prefácio: uma reflexão sobre a civilização brasileira. In: Vianna, LW. A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. 2a ed. Rio de Janeiro: Revan; 2004. p.7-37.

51. Coutinho CN. As categorias de Gramsci e a realidade brasileira. In: Coutinho CN, Nogueira MA. (org.). Gramsci e a América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1985. p.103-127.

52. Nogueira MA. Gramsci e os desafios de uma política democrática de esquerda. In: Aggio A. Gramsci, a vitalidade de um pensamento. São Paulo: Fundação Editora UNESP; 1998. p.65-102.

53. Faleiros VP, Silva JFS Vasconcellos LCF; Silveira RMG. A Construção do SUS: Histórias da Reforma Sanitária e do processo participativo. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

54. Semeraro G. Gramsci e a sociedade civil: cultura e educação para a democracia. Petrópolis: Vozes; 1999.

55. Federico L. Análise política em saúde: a contribuição do pensamento estratégico. Salvador: EDUFBA; 2015.

56. Paim JS. Posfácio. Análise política em saúde: um pensamento estratégico para a ação estratégica. In: Federico L. Análise política em saúde: a contribuição do pensamento estratégico. Salvador: EDUFBA; 2015. p.279-286.