Prácticas de educación permanente en atención primaria a la salud para el abordaje de personas usuarias con tuberculosis

https://doi.org/10.18294/sc.2023.4542

Publicado 23 noviembre 2023 Open Access


Letícia Vieira Lourenço Magíster en Atención Primaria de la Salud. Coordinadora pedagógica, Programa de Residencia en Enfermería Familiar y Comunidad, Secretaría Municipal de Salud, Rio de Janeiro, Brasil. , Karla Santa Cruz Coelho Doctora en Salud Colectiva. Profesora asociada, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Campus Macaé, Río de Janeiro, Brasil. image/svg+xml , Emerson Elias Merhy Doctor en Salud Colectiva. Profesor Titular, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Campus Macaé, Río de Janeiro, Brasil. image/svg+xml




Vistas de resumen
235
Cargando métricas ...


Palabras clave:

Atención Primaria de la Salud, Tuberculosis, Educación Permanente, Brasil


Resumen


La interrupción del tratamiento contra la tuberculosis configura uno de los obstáculos para el control de la enfermedad. Las normas establecidas en las políticas de salud, a veces, se muestran poco flexibles, lo que tiende a invisibilizar las dificultades experimentadas por las personas en tratamiento. El objetivo de este artículo es analizar las prácticas de educación permanente en salud desarrolladas por los equipos de salud familiar de las unidades de salud de Maré, municipio de Río de Janeiro, Brasil, en casos de interrupción del tratamiento de la tuberculosis. Se realizó una investigación exploratoria de abordaje cualitativo con doce profesionales del equipo de salud en el periodo de agosto a noviembre de 2021. Los hallazgos de esta investigación consideran la educación permanente en salud como una estrategia de mejora de los procesos de cuidado, fomentada por la vivencia en acto de los trabajadores, que viabiliza la producción de saberes e intercambios que amplían el efectivo tratamiento de la tuberculosis, con creatividad y flexibilidad, en la dinámica de las relaciones con los usuarios, sea en los pasillos de las unidades de salud o en el territorio junto a la comunidad, dado que el cuidado ocurre en el trabajo vivo en acto.


Referencias bibliográficas


1. World Health Organization. Global Tuberculosis Report 2022. Geneva: WHO; 2022.

2. Silva DR, Mello FCQ, D’Ambrosio L, Centis R, Dalcolmo MP, Migliori GB. Tuberculosis and COVID-19, the new cursed duet: what differs between Brazil and Europe? Jornal Brasileiro de Pneumologia. 2021;47(2):e20210044. DOI: https://doi.org/10.36416/1806-3756/e20210044

3. World Health Organization. Global Tuberculosis Report 2020. Geneva: World Health Organization; 2020.

4. World Health Organization. Global Tuberculosis Report 2021. Geneva: World Health Organization; 2021.

5. Brasil. Lei No. 8.080, de 19 de setembro de 1990: Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências [Internet]. 1990 [citado 20 sep 2023]. Disponible en: https://tinyurl.com/eaxhv6ue.

6. Brasil. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017: Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2017 [citado 20 sep 2023]. Disponible en: https://tinyurl.com/36vkwjc8.

7. Malta DC, Merhy EE. O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2010;14(34):593-605. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832010005000010

8. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente. Tuberculose 2023. Boletim Epidemiológico [Internet]. 2023 [citado 20 sep 2023]. Disponible en: https://tinyurl.com/ydmxeepf.

9. Soeiro VMS, Caldas AJM, Ferreira TF. Abandono do tratamento da tuberculose no Brasil, 2012-2018: tendência e distribuição espaço-temporal. Ciência & Saúde Coletiva. 2022;27(3):825-836. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232022273.45132020

10. Moreira AF. O tratamento diretamente observado da tuberculose na perspectiva do usuário em uma unidade básica da Atenção Primária em Saúde [dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2020.

11. Merhy EE. A perda da dimensão cuidadora na produção de cuidado: uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In: Campos CR, Malta DC, Reis AT, Santos AF, Merhy EE, org. Sistema Único de Saúde de Belo Horizonte: reescrevendo o público. São Paulo: Xamã; 1998. p. 103-120.

12. Merhy EE, Feuerwerker LCM, Santos MLM, Bertussi DC, Baduy RS. Rede Básica, campo de forças e micropolítica: implicações para a gestão e cuidado em saúde. Saúde em Debate. 2019;43(6):70-83. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s606

13. Merhy EE. O ato de cuidar: a alma dos serviços de saúde. In: Ferla AA, Ramos AS, Leal MB, Carvalho MS, org. Cadernos de textos: Ver – SUS Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. p. 108-137.

14. Franco TB, Merhy EE. O reconhecimento de uma produção subjetiva do cuidado. In: Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: textos reunidos. São paulo: Hucitec; 2013. p. 151-171.

15. Santos DDS, Mishima SM, Merhy EE. Processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Ciência & Saúde Coletiva. 2018;23(3):861-870. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018233.03102016

16. Lemos CLS. Educação Permanente em Saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente? Ciência & Saúde Coletiva. 2016;21(3):913-922. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015213.08182015

17. Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec; 2022. DOI: https://doi.org/10.18294/9789874937988

18. Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede Unida; 2014. DOI: https://doi.org/10.18310/9788566659191

19. Ceccim RB, Ferla AA. Educação Permanente em Saúde. In: Pereira IB, Lima JCF. Dicionário da educação profissional em saúde. 2a ed. Rio de Janeiro: EPSJV; 2008, p. 162-168.

20. Malta DC, Merhy EE. A micropolítica do processo de trabalho em saúde - Revendo alguns conceitos. REME: Revista Mineira de Enfermagem. 2003;7(1):61-66.

21. Brasil, Ministerio da Saúde. Portaria Nº 198/GM de 13 de fevereiro de 2004: Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências [Internet]. 2004 [citado 20 sep 2023]. Disponible en: https://tinyurl.com/46efupk2.

22. Associação Redes de Desenvolvimento da Maré Censo Maré. Uma cidade chamada Maré - Censo populacional 2019 [Internet]. 2019 [citado 20 sep 2023]. Disponible en: https://tinyurl.com/ynkfk6mz.

23. Slomp Junior H, Merhy EE, Rocha MM, Baduy RS, Seixas CT, Bortoletto MSS. Contribuições para uma política de escritura em saúde: o diário cartográfico como ferramenta de pesquisa. Athenea Digital. 2020;20(3):e2617. DOI: https://doi.org/10.5565/rev/athenea.2617

24. Brasil, Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510/2016 [Internet]. 2016 [citado 21 jun 2023]. Disponible en: https://tinyurl.com/bdfzw8ac.

25. Lisboa NA, Santos SF, Lima EI. A importância das tecnologias leves no processo de cuidar na atenção primária em saúde. Textura. 2017;10(19):164-171. DOI: https://doi.org/10.22479/244799342017v10n19p164-171

26. Sawitzki RC. Cartografando gênero e inovação como uma prática social entrelaçada em multiterritórios. [Tese doutorado]. Porto Alegre: Universidade Federal Rio Grande do Sul, Escola de Administração, Programa de Pós-Graduação em Administração; 2017.

27. Rettich JS. A cartografia como método: potências e devires para as práticas em análise do discurso. Fórum Linguístico. 2020;17(4):5429-5441. DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020.e66402

28. Rena A. A cartografia e a pesquisa literária: do gabinete às comunidades e às ruas. Scripta. 2018;22(44):21-30. DOI: https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2018v22n44p21

29. Junges JR, Burille A, Tedesco J. Tratamento diretamente observado da tuberculose: análise crítica da descentralização. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2020;24:e190160. DOI: https://doi.org/10.1590/interface.190160

30. Brasil, Ministerio da Saúde. Portaria n° 154, de 24 de janeiro de 2008, Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Diário Oficial da União [Internet]. 24 jan 2008 [citado 20 sep 2023]. Disponible en: https://tinyurl.com/5xrsjznp.

31. Slomp JH, Franco TB, Merhy EE. Projeto terapêutico singular como dispositivo para o cuidado compartilhado [Internet]. Porto Alegre: Editora Rede Unida; 2022 [citado 20 set 2023]. Disponible en: https://tinyurl.com/bdfae3wh.

32. Borges SAC, Porto PN. Por que os pacientes não aderem ao tratamento? Dispositivos metodológicos para a educação em saúde. Saúde em Debate. 2014;38(101):338-346. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-1104.20140031

33. Brasil; Ministério da Saúde; Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos; Departamento de Ciência e Tecnologia. Síntese de evidências para políticas de saúde : adesão ao tratamento de tuberculose pela população em situação de rua. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

34. Brasil, Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Tuberculose no Município do Rio de Janeiro. Boletim Epidemiológico [Internet]. 2023 [citado 20 set 2023]. Disponible en: https://shorturl.at/gXZ28.